sexta-feira, 13 de julho de 2012

Dia Mundial do Rock


O Rock está de aniversário mais uma vez. São tantas as músicas, bandas e sucessos, festivais, bem como desastres perdas. A história de muitas gerações de jovens que se encarregaram de mudar um conceito de música, instrumentos, vestuário e linguagem entre outros que a cada nova fase surge mais adeptos e outras manias... 

Por Clara Schestatsky - fotos diversas-artigos jornais/revistas antigas e internet.

Estados Unidos da América, no final dos anos 40 eram escutados ritmos de Blues, Gospel, e Música Country, finalzinho da guerra entradinha da década de 50, chamada de GERAÇÃO SILÊNCIOSA, O Rock descendeu de uma geração marginalizada. Os negros e sua nova musicalidade chamada de Blue, (triste), definia-se como doce e amarga melodias e letras foi à base principal para o nascimento do Rock. O Rhythm and Blues,é ponto da variação do blues, acrescidos de guitarras elétricas, danças foram os fatores marcantes para a evolução na música mundial. É a vertente NEGRA no Rock. Os principais agitadores, movimento contracultura. A sensualidade na pele e os lamentos dos blues que vieram desde o tempo do negro escravo e a fusão coma música brancas. Figuravam convites á dança e ao amor sem mostrar necessariamente o interesse para o casamento. As baladas eram carrões envenenados e as garotas na carona, adolescência dramas familiares e conflitos amorosos.


O Disk Jockey Allan Freed foi o pioneiro apresentador do novo estilo musical, colocando no ar os acordes diferenciados começaram a ser escutados em uma rádio multi racial, e foi o primeiro a usar o termo “Rock and Roll”. Rock 88 Ike Turner 1950. Mas que foi gravado por Sam Phillps para Sun Records 1951. E quatro anos mais tarde com Bill Halley, Rock Around Clock que foia canção que atingiu o topo na BILLBOARD. E assim nasceu o “Rock and Roll”
Chuck Berry, que compôs a famosa música Johnny B. Good, que até hoje uma das melhores e mais solicitadas nas rádios mundiais.  Outro grande ícone do rock, aliás, o mais lembrado nos 04 quantos do mundo foi Elvís Presley, sensual, uma linda voz cantava e ia transformando tudo para uma verdadeira revolução, a sensualidade na voz rouca e na forma de dançar, transformaram Elvís no maior Superstar de todos os tempos. E marcando um particular e generalizado fim de quase todas as estrelas do Rock, a morte trágica. Que construíram e constroem mitos, envolvimento com drogas, relacionamentos desfeitos e uma série de escândalos durante suas carreiras. No primórdio nomes como Jerry Lee Lewis, que tinha muitos problemas com o álcool, casou diversas vezes e morreu jovem, em trágico acidente de avião.
O Rei do ROCK nasceu em 1935, 08 de janeiro, e aos 08 anos ganhou uma guitarra da sua mãe. Nunca gostou de estudar, e no último ano do colégio ganhou o festival de jovens talentos.
Geração Beat: nos finas dos anos 50 e ao longo dos anos 60 o Rock então já era considerado e consagrado como: moda, gênero e estilo de vida. Esse novo produto abriu portas para comercialização de grandes sucessos, passando de “maldito” para “notável”.  No mesmo tempo na década de 60 um novo personagem rouba a cena no Rock, seu nome BOB Dylan, um garoto desajustado, considerado o ponto de ruptura no modelo americano da década de 50. Dylan tinha um ideal revolucionário nas letras e forma de expressar-se em suas músicas, que eram chamadas de Folk sons, juntamente com Joan Baez, começaram um movimento contra a Guerra no Vietnã.  que foi se dissolvendo ao longo de 1965.


As décadas de 60, no colorido das roupas a flores nos cabelos o psicodelísmo trouxeram a cena o movimento “Flower e Power” tomou conta das Américas. Na Califórnia, com o movimento hippie, “paz e amor”, os jovens promoviam à pacificação no mundo a ideologia do amor livre, o LSD, e principalmente à vinda da Era de Aquários o fim da injustiça social, racial e vida em paz com todos os seres vivos na terra.
A cada década o Rock, toma uma forma, agarra uma luta e jovens, moços e velhos que convivem e o assumem como forma de vida vão tornando seu legado mais firme, mais bem trabalhado, trazendo um bom resultado, pois a força da música nunca haverá de terminar.
Em final dos anos 50 haviam já introduzidos no mercado filmes, roupas e estilos Elvís Presley e Rock in Roll. Na Europa o surgimento de novos grupos e um deles se destacou e fixou seu nome como força mundial chamado BEATLES da Inglaterra. Festival de Monterey em 1969 apresentou ao mundo Janis Joplin uma mulher branca, que passou a infância e adolescência escutando músicas feitas por negros, cantadas por mulheres negras no som de blues, com Billi Holliday e Bessie Smith. Uma de suas frases prediletas em show era;_” Faço amor com 25 mil pessoas e depois volto para casa sozinha”.
Em agosto de 1967, o maior show da contra cultura, WOODSTOK, que reuniu cerca de 500 mil pessoas, os ingressos custava 07 dólares muita gente quebrou cercas e entrou sem pagar. Um grande nome foi Hendrix, que fazia amor com a guitarra, em um acasalamento  de dança extraterrestre. E seus sons distorcidos jamais escutados antes. Uma boa lembrança é que um dos sucessos de Hendrix foi regravado pela Banda o Rappa, Hey Joe nos anos 90. E demais nomes que compareceram e fizeram seus shows que estão documentados em filme de 3 horas.


O sonho não acaba a partir de 1967 a imprensa começou a interessar-se pela contra cultura. Em 1969 marca o fim de uma época da sociedade utópica. Com seita fanática de hippies descontrolados, o assassinato da mulher do diretor Roman Polasky, seguidores da seita de Charles Manson, conseguiram exterminar o movimento hippie dos EUA. Assim fatos comoa morte do guitarrista dos Rolling Stones Brian Jones em 1968, antecipado a perda dos músicos jovens: Janis Joplin, Hendrix, Morrison tragicamente acontecimentos causados pelo uso excessivo de drogas, e medicamentos misturados a bebidas.
Em 1970, o Rock vem como forma de arte, rock progressivo misturado com música clássica e inovações tecnológicas. Trazendo nomes como Pink Floyd, Yes, Genesis entre outros. Rock de plumas e paetês, com David Bowie, Alice Cooper que era chamado de TIA ALICE, pela androgenia que começou a introduzir no mercado do rock no estilo de vestimentas e falas gírias. Os grupos Ingleses Queen e Judas Priest não se encaixavam aos grupos, formados em 70, trazendo assim a musicalidade de ópera rock aliado um visual extravagante. Em 1980 o Rock in Rol pegou influências da músic dance. E sons eletrônicos.


Nos anos 90, surgimento de novos ritmos, surge o Nirvana, que tem milhares de sucessos e compromissos para shows até 1994. Kurt Coiban que em 1985 voltou a sua cidade natal e resolveu juntamente Krist Novasselic, em  Abeerden em Washington  se juntaram para tornar esse sonho uma realidade. O Nirvana começou ai.  Krist tocava baixo, Kurt bateria e as guitarras ficavam por conta de alguns amigos que apareciam por acaso nas horas de ensaios.
O movimento Hadcore foi acabando, devido aos fatos dos shows serem muitos violentos.  O pearl Jim e o Nirvana são dissidentes deste movimento do final dos anos 80. Kurt morreu de over dose depois de variados tipos de tratamentos em clínicas de reabilitações.


E a música na Inglaterra e dos EUA se juntaram com um movimento Britt Pop nos anos 90, os Strockes vieram para muitos como a SALVAÇÃO DO ROCK, que tem influência de Velvet Undergrund, além de visuais típicos de Nova York. E esse movimento que inaugurou o Rock do século XXI.




 

Um comentário: